quinta-feira, 18 de agosto de 2011

A pilha. Ou melhor, as pilhas!



Tem de tudo. De E. M. Forster (A mais longa jornada), Alberto Manguel (À mesa com o chapeleiro maluco); Gay Talese (A mulher do próximo), Notícias de um sequestro (Gabriel Garcia Márques que, aliás, tem também a biografia, Viver para contar), Albert Camus (O mito de Sísifo), Antônia Fraser (A revolução da pólvora), Sterne (Viagem sentimental) , Anatole France (O crime de Silvestre Bonnard) e, se nada acontecer, o próximo, Arthur Schopenhauer (Como vencer um debate sem precisar ter razão, comprado há mais de três anos por indicação de um amigo querido em uma viagem a trabalho para Porto Alegre).
Isso tudo e muito mais: são 12 livros de um lado da cama e 36 do outro, onde a “mesa” de cabeceira é uma rack bem espaçosa. Essa é a famosa pilha de livros na fila e estou com preguiça de listar todos, embora não para lê-los. Para isso só preciso de tempo. Tem coisa que chegou agora, como o Pai Goriot, de Balzac, e tem coisa que está na fila há vários anos, como Middlemarch, de George Eliot. Provavelmente sempre terei muita coisa esperando, mas imagino que não nesta quantidade. Os 48 livros estão divididos em quatro pilhas. Eram duas quando cheguei ao meu penúltimo apartamento. Fica a dúvida se eu li menos (ando lendo mais devagar mesmo, admito) ou se acrescentei mais. Um pouco de cada, sem dúvida. De qualquer forma estou suprida no caso hipotético de um acontecimento nuclear que tranque todo mundo em casa por meses (tipo o filme “O dia depois de amanhã”, que está passando agora no telecine). Não duvidaria que os livros acabassem antes da comida....


2 comentários:

literaturacafeinada disse...

Quanta coisa!! No meu caso, o único problema seria "por qual começar". HAHAHAHAH. Sério, isso acontece comigo sempre que vou à biblioteca. SEMPRE. Chego a passar acho que umas duas horas lá dentro escolhendo, e tudo mais. O troço é complicado. :-D
Então, Denise. Fiquei feliz demais de ter esbarrado no seu blog e achei tudo por aqui muito interessante. Vou estar sempre por aqui dando uma força. :-D

Fernanda Mathièu,
http://literaturacafeinada.wordpress.com/

Luks Vieira disse...

Vixe, quantos livros. Realmente, as vezes bate um desespero em lê-los o quanto antes [...] mas com paciência tudo se resolve..rs.
Att.,
Luks